Em Varsóvia, Talita e Saymon seguem na busca por pontos olímpicos

Imagem da arena de 2018 - FIVB/Divulgação

As duplas de Talita e de Saymon estão em Varsóvia, na Polônia, na busca de pontos para a corrida olímpica por vagas no vôlei de praia. A etapa quatro estrelas começa nesta terça-feira (11) e é o último evento antes da disputa do Campeonato Mundial, que ocorre a partir do dia 28 deste mês, na Alemanha. Os sul-mato-grossenses estão fora da disputa alemã.

Na Polônia, a sul-mato-grossense que faz parceria com a cearense Taiana disputa o country quota – disputado quando o número de duplas inscritas por um país excede o limite de vagas permitido para as nações. Talita espera repetir pelo menos as últimas atuações, quando passa desta fase, pelo classificatório e chega à fase de grupos.

Em Varsóvia, as adversárias são Fernanda Berti/Bárbara Seixas (RJ). No naipe feminino, já estão garantidas pelo ranking de entradas as parcerias de Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE), Ágatha/Duda (PR/SE) e Carol Solberg/Maria Elisa. Elas entram em quadra a partir de quinta-feira (13), em chaves que ainda serão divulgadas.

Entre os homens, Saymon e Guto tentam voltar às primeiras colocações. Com atuações que o deixaram distante do pódio em diversas etapas, o campo-grandense e o carioca perderam a vaga na fase de grupos recentemente e tem de encarar a fase classificatória nesta terça-feira. Os times já garantidos na fase de grupos pelo ranking de entradas são Alison/Álvaro Filho (ES/PB), Evandro/Bruno Schmidt (RJ/DF) e Pedro Solberg/Vitor Felipe (RJ/PB), que atuarão a partir de quinta-feira.

As duplas campeãs em Varsóvia recebem 800 pontos no ranking do Circuito Mundial e uma premiação de cerca de R$ 80 mil. Talita, que defende Alagoas, e Taiana estão em terceiro na corrida olímpica brasileira com 1760 pontos, atrás de Ágatha/Duda (PR/SE), com 2240, e Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE). Saymon e Guto não aparecem entre os três primeiros.

Na corrida olímpica do Brasil, apenas os eventos de quatro e cinco estrelas do Circuito Mundial, além do Campeonato Mundial, são contabilizados, cada um com peso correspondente. Além disso, os times terão uma média dos 10 melhores resultados obtidos, podendo descartar as piores participações. Só valem os pontos obtidos juntos, como dupla.

A corrida olímpica interna das duplas brasileiras acontece em paralelo à disputa da vaga do país, que segue as regras da Federação Internacional de Voleibol (FIVB). Cada nação pode ser representada por, no máximo, duas duplas em cada naipe.

Os países possuem quatro maneiras de garantir a vaga: ganhar o Campeonato Mundial 2019; sendo finalistas do Classificatório Olímpico, que será disputado na China, também em 2019; estar entre as 15 melhores duplas do ranking olímpico internacional; vencer uma das edições da Continental Cup (América do Norte, América do Sul, África, Ásia e Europa). O Japão, sede, tem uma dupla em cada naipe já garantida.

No Pernambuco, MS fica fora do pódio de etapa Sub-19 e de Challenger

Em nível nacional, nenhuma dupla ou atleta de Mato Grosso do Sul subiu ao pódio na semana passada, em Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco. A praia da Piedade recebeu a segunda etapa do Circuito Brasileiro Sub-19 e na sequência, o Circuito Challenger na categoria adulto.  (Com CBV)

*Se for reproduzir a matéria ou parte dela, cite a fonte, beleza?! É www.soporesportes.com.br

** E, se gostou muito, apoie financeiramente o nosso trabalho.  Pode ser pelo fone/whats (67) 9.8109-5459 ou e-mail contato@soporesportes.com.br
Muito obrigado. Mesmo

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*